As buyer personas são hoje muito populares em marketing. Servem para a empresa entender, de forma humanizada, o comportamento de seus público-alvo. Mas é preciso conhecer a história que deu origem às personas.

Em 1983, o desenvolvedor americano Alan Cooper estava criando um software de gerenciamento de projetos. Para entender o comportamento de seus usuários, ele entrevistou colegas.

As entrevistas resultaram na criação de uma usuária imaginária chamada Kathy. O nome, aliás, foi escolhido por Alan Cooper em alusão a uma das pessoas entrevistadas, com quem ele trabalhava.

Em 1998, Alan Cooper publicou o livro "The Inmates are Running the Asylum". Pela 1ª vez, foram mencionados os termos user persona e buyer persona.

Diversos profissionais adaptaram o conceito de personas para suas áreas. No marketing, quem melhor desempenhou esse papel foi a consultora americana Adele Revella, fundadora do Buyer Persona Institute e autora do livro Buyer Personas.

Personas são personagens fictícios que, baseados em entrevistas com pessoas reais, representam o comportamento de compra de um determinado público. Para criar buyer personas, é indispensável entrevistar clientes.